22 outubro 2011

Solteiro Procura Mulher Frígida Para Relacionamento Sério

Não é o homem que possui o pénis é o pénis que possui o homem.
O sexo só atrapalha e é a causa principal dos desentendimentos e das separações.
Vamos, então, cortar o mal pela raiz.

25 junho 2011

14 junho 2011

Emigras a armar aos cucos em férias nas terrinhas

- Michelleee ... viens ici, tu vas tomber, MICHELLE! Michele tu vas tomber! Tu vas tomber Michelle!
Pouco depois a Michelle dá um grande malho.
- Ò sua filha da puta, eu não te disse que ias cair!

09 junho 2011

Côncava ou convexa?

Coloca-me em cima da mesa
E divide-me em duas metades.

Qual preferes:
A côncava ou a convexa?

Afaga-me!
Contorna as protuberâncias do meu corpo.

Entra em mim!
Explora as profundezas do meu ser.

Agora,
Une as duas metades.
E ama-me por inteiro.

(Autor: João Trolha)

04 junho 2011

Vegetar é viver?

- Olá, João, como tens passado? Tenho estado sem net.
- Ohhhhhhhhhhhhhhh. Muito mal. Sem ti a minha vida não passa  de uma vida sem passado.

21 abril 2011

Mundo bipolar



Ela: Tudo tem 2 pontos de vista, João.
Ele: Claro que sim. O mundo é bipolar. Tem dois pólos: o pólo Norte e o pólo Sul.
Ela: Eu opto pelo meio termo...:)
Ele: In medio virtus. Forças centrípetas inelutáveis fazem convergir as nossas pulsões em direcção ao centro.

17 abril 2011

No Facebook em noite de Lua Cheia

Ela: parvo! lol. Simpatizo contigo e .... nem sei porquê. Mas enfim ... deve ser um trauma qualquer ou tu és o meu karma nesta Reencarnação. 
Ele: não sou falso nem fingido. Sou frontal e directo. Por isso, achas-me diferente.
Ela:  não é por isso, mas tu consegues tirar-me do sério.
Ele: então é porque digo o que penso e não penso o que digo. 
Ela: ou será ao contrario: não dizes o que pensas e pensas o que dizes?

Lésbicas e malvadas

Ele:  um dia conheci, aqui, uma lésbica, madurona, na idade da loba. Ganhei a confiança dela e abriu-se um pouco comigo. E conversámos bastante sobre as suas conquistas. 
Ele: .... que não era nada bonita e, até, tinha traços masculinos.
Ela: humm … acho, que se fosse lésbica, só me ia interessar por mulheres muito femininas. É uma pena a maior parte das lésbicas parecerem homens. Para isso já existem homens, não é? Uma mulher deseja outra mulher porque é macia, suave, delicada, cheirosa … para lhe tocar nos cabelos e passar as mãos pelas curvas.
Ele: e ela gostava de mulheres, assim, femininas, muito femininas. Queres saber como as levava ao castigo?
Ela: como?
Ele: tinha mentalidade de homem, de loba solitária e … predadora. Tentava ganhar a confiança delas: encontros, cafés, cinema, jantares.
Ele: um dia, convidava-as para casa para um chá e para lhes  mostrar a sua colecção de «brinquedos».
Ela: lolololool. As barbies? Os carrinhos? Os legos?
Ele: nada disso. Mostrava-lhes todo o tipo de brinquedos de cariz sexual e no fim umas algemas felpudas cor de rosa vivo. E elas riam-se, nervosas e assustadas.
Ele: e, depois, pedia-lhes que a algemassem e ... algumas ofereciam-se para ser algemadas também.
Ela:  lol Eu acho que gostava de ser seduzida por uma gaja, assim,  por acaso. :)
Ele: começava, então, o jogo da cabra cega: algemadas, elas não se opunham à venda, a ser apalpadas, acariciadas, beijadas. E a partir daí era um caminho sem retorno.
Ela: excitadas com a brincadeira, deixavam-se ir, perplexas por estarem todas molhadas ... deixavam-se beijar e correspondiam …. deixavam-se tocar e gostavam ... surpreendidas com o seu próprio prazer.
Ele: não tinham qualquer escapatória.
Ela: completamente à mercê da Dona.
Ele: completamente, podes crer. Se resistissem ou começassem aos gritos, punha-lhes uma mordaça e, depois, violava-as a seu bel-prazer sem apelo nem agravo.
Ela: e nunca nenhuma apresentou queixa?
Ele: isso não sei. Mas achas que uma miúda vai apresentar queixa por ter sido violada por outra mulher?

05 abril 2011

Diálogo kafkiano no Facebook

- Bom dia!
- Bom dia se fores mulher. Se fores homem, vai-te foder!
- Que grosso!
- Sou trolha e gosto.
- Não me referia a isso.
- Referes-te a quê? Ao chouriço?

04 abril 2011

Primavera

Se os passarinhos gostam ...
http://profile.ak.fbcdn.net/hprofile-ak-snc4/187755_100001021822372_1327051_q.jpgporque razão não hão-de gostar as passarinhas?

Queca Virtual

Ela: queca virtual? Como é que é isso?
Ele: queca virtual = masturbação  virtual interactiva.
Ela: mas isso já acontece, tenho muitos amiguinhos ali escondidos no armário do WC 
Ele: esses não são virtuais mas reais. E não há interactividade. São monocórdicos. Música de uma nota só.
Ela: são de silicone.
Ele: não falam, não escrevem, não riem,  nem exprimem sentimentos. São cegos, surdos e mudos.
Ela: eu falo imenso com eles e eles entendem-me muito bem. Estarei maluqinha?

30 março 2011

DIETAS

Come!
Faz-te home, mulher!

O último recurso

Ele: o recurso já seguiu?
http://profile.ak.fbcdn.net/hprofile-ak-snc4/41627_100000452581505_5048_q.jpgEla: faltam as Conclusões. Segue amanhãhttp://profile.ak.fbcdn.net/hprofile-ak-snc4/174324_100001319227104_6735286_q.jpg
Ele: ah. Olha que eles apenas lêem as Conclusões. Por isso, esmera-te nas Conclusões
Ela: eu sei disso. Vai tudo para Conclusões. Vou obrigá-los a ir lá baixo ler.
Ele: olha querida, lá baixo todos tentam ir. Uns lêem e escrevem; outros  lêem mas não escrevem; e outros já nem ler conseguem.
http://profile.ak.fbcdn.net/hprofile-ak-snc4/41627_100000452581505_5048_q.jpg

28 março 2011

A chuva de verão

A tentação é como a chuva de verão. Apanha-nos desprevenidas, sem contarmos, e deixa-nos todas molhadinhas.

26 março 2011

Afinal o que querem as mulheres?

“A grande questão que nunca foi respondida, e que eu ainda não fui capaz de responder, apesar de 30 anos de pesquisa sobre a alma feminina, é: o que querem as mulheres?” - Sigmund Freud

    • João Trolha Não é apenas a questão de um homem não entender as mulheres, ó Sigmund. Elas próprias também não sabem o que querem (João Trolha).

Desejo

QUERO_TE!
Quero rasgar as tuas carnes com os caninos do desejo.

A fantasia do estupro

Fantasias politicamente incorrectas


A outra, perturbadora, é a fantasia do estupro. 
Os especialistas pisam em ovos ao falar sobre isso, mas o fato é que as mulheres têm fantasias recorrentes de serem submetidas pela força. 
Por trás disso, encontra-se, aparentemente, a ilusão narcisista (e excitante) de ser tão atraente, tão irresistível, que os homens seriam incapazes de conter sua luxúria. “As fantasias de estupro são muito mais recorrentes do que as pessoas imaginam”, diz o terapeuta Finotelli. 
Isso quer dizer que essas mulheres gostariam de ser estupradas? Não. Não. E, mais uma vez, não. Trata-se de uma fantasia íntima que dispara desejos sexuais. 
Ela não esconde a vontade oculta de sofrer a violência sórdida de um estupro. “As mulheres querem ser encostadas no muro, mas não colocadas em perigo, diz Marta Meana. Elas querem um homem das cavernas atencioso”. 


(Entenda o desejo sexual feminino - Revista Época - Brasil)

GERAÇÃO À RASCA

Ele nos seus pujantes vinte anos. Ela na idade da loba. 
Ele sem emprego, sem esperança, sem futuro. Ela, viúva, a desesperar do presente.
Ele jantava, quando havia. Ela jantava sem companhia.
Resolveram partilhar tudo: os carros, as motos, a mesa e a cama.
Ele correu para os braços da mãe que o abandonara. Ela recebeu de braços abertos o filho que nunca adoptara.
Ela dava-lhe o que ele sempre sonhara ter. Ele dava-lhe aquilo que ela nunca pensou haver.


(relato verídico)

23 março 2011

Dura realidade dura

Ela:
  • Estive a ver o debate e estas coisas enervam-me. 
  • Só temos anormais e irresponsáveis a governar e a querer governar. 
  • Tenho aqui um fulano que tem o nick de «pau duro duro» que quer ser meu amigo no FB. 
Ele:
  • Olha, queres um conselho?
  • Faz-te amiga do «pau duro duro» e tenta esquecer a dura realidade

    18 março 2011

    Homem da net

    Ela: olha vou te dizer uma coisa: eu nunca fui com homem de net pra cama, não. E nem quero isso pra mim
    Ele: eu também não. Nunca fui com homem da net pra cama. Nem quero isso para mim

    06 março 2011

    Frango no espeto

    Hoje, é Domingo. Bom apetite!

    Queres saber onde gosto mais de O fazer?
    Olha, em cima do balcão da cozinha.
    Imagino-me um frango, todo escarranchado, que vai a assar no espeto.

    05 março 2011

    Já fostes!

    O Amor te ferirá, gentil donzela,
    E tu me esperarás, se o Amor te fere;
    E se me esperas, não há mais quem espere.

    Já não fugia a bela Ninfa tanto,
    Cair se deixa aos pés do vencedor,
    Que todo se desfaz em puro Amor.



    (Camões, canto IX dos Lusíadas)

    27 fevereiro 2011

    APEITAR

    E na hora do aperto
    Enfrento de peito aberto
    A fera. 


    Ninguém me leva ao engano 
    E só me pode causar dano 
    A espera.

    Cinderela (à moda dos Gunas)

    Como contar a história da Cinderela às crianças de hoje para que não
    nos chamem "Kotas": 


    Há tótil, mano, havia uma garina cujo cota já tinha esticado o pernil
    e que vivia com a chunga da madrasta e as melgas das filhas dela.
    A Cinderela (Cindy p'ós amigos) parecia que vivia na prisa sem tempo
    para sequer enviar uns mails.
    Com este desatino todo, só lhe apetecia dar de frosques porque a
    madrasta fazia-lhe bué da cenas.
    É então que a Cindy fica a saber da alta desbunda que ia acontecer:
    Uma reive!!! A gaija curtiu tótil a ideia mas as outras chavalas
    cortaram-lhe as bases.
    Ela ficou completamente passadunte mas, depois de andar à toa durante
    um coche, apareceu-lhe uma fada baril que lhe abichanou uma farda baita
    bacana e ela ficou a parecer uma ganda fêbra.
    Só que  só se podia afiambrar da cena até ao bater das 12.
    Tás a ver, meu?
    A tipa mordeu o esquema e foi para a borga sempre a bombar.
    Ao entrar na party topou um mano cheio da papel, que era bom comó
    milho, e que também a galou logo ali. Aí, a Cindy passou-se dos
    carretos, desbundaram "óle naite longue", até que ao ouvir
    as 12, ela teve de se axandrar e bazou.
    O mitra ficou completamente abardinado quando ela deu de frosques e
    foi atrás dela mas só encontrou pelo caminho o chanato da dama.
    No dia seguinte, com uma alta fezada, meteu-se nos calcantes e foi à
    procura de um chispe que entrasse no chanato.
    Como era um ganda cromo, teve uma vaca descomunal e encontrou a
    maluca, para grande desatino das outras fatelas que ficaram a anhar.
    Fim: Tá-se bem.

    14 fevereiro 2011

    Carta de Amor

    Dia de S. Valentim

    Querido João,

    Os anos passam, os dias repetem-se, Somos tentados a repeti-los. E aqui estou eu a satisfazer a minha tentação, de hoje, contigo.

    Está uma manhã fria de sol. Desce. Estou na rua à tua espera. Apertada por um zipper dentro da parka branca acolchoada dos joelhos ao pescoço. Botas brancas. Cabelo ao sol de Inverno. Sorriso de saber que estás quase a chegar. Quente por fora, à espera que as tuas mãos me deixem a escaldar por dentro.

    Vem. Não é que eu esteja impaciente, mas tenho pressa de ti. Vem.

    Aí estás tu! Rio-me! Como poderia não me rir, se apesar de te ter pressionado para vires depressa, ainda te lembraste de tirar uma gerbéria de fogo da jarra de flores da tua sala? E a seguras na tua boca?

    Que vai separar a tua boca da minha enquanto eu não arrancar com os meus lábios, uma a uma todas as pétalas, até, por fim, ser a tua boca o meu prémio? Vai demorar um pouco e tenho que me concentrar nos movimentos finos e certeiros que preciso de fazer para o conseguir.

    Sem eu dar por nada, terás tempo de abrir o zipper, meteres as mãos e acariciares por dentro de mim o que imaginas e o que encontras, e voltares a fechá-lo a tempo de me apanhares a soltar a última pétala.

    Acabei. Mereço a tua língua. Enfia-a na minha boca e fá-la mexer, às voltas, no meu molhado escuro, quente, quieto e receptivo.

    Adoro os teus beijos!
    .

    13 fevereiro 2011

    Engate no Facebook

    Ele: Agora já somos amigos no Facebook. Para o bem e para o mal.
    Ela: Sim, claro!!!! Bem-vindo!!!!
    Ele: Isto é mais sério que um casamento, que hoje já ninguém leva a sério.
    Ela: Eu levo à RISCA!!!
    Ele: E nunca pisaste o risco?
    Ela: Eu pecadora me confesso. Esforço-me. Já não me esforço. Não resisto  
    Ele: Pisas?
    Ela:Tem de valer a pena!
    Ele: Vale sempre a pena, quando a COISA não é pequena
    Ela: UIIIIIIIIIIIIIIII ......   A COISA PROMETE!!!!

    30 janeiro 2011

    Castigo

    Apeteces-me!
    Quero-te!
    Não admito recusas: nem dores de cabeça ou relatórios para acabar.
    Queres ir ao castigo ... e é hoje que vou fevar-te ao castigo.
    Nem que Deus me castigue por isso
    !

    28 janeiro 2011

    Ai, Jesus!

    No jantar que Madona teve, no Rio de Janeiro, com o empresário Eike Batista (o gajo mais rico do Brasil e o 8.º mais rico do mundo), a certa altura Madonna contou  que ia dando um tombo de todo o tamanho (certamente bem maior do que ela) por ter escorregado no passeio molhado  da chuva. E, para provar que era verdade, levantou o vestido e mostrou uma marca na perna em resultado do quase acidente.
    Dizem as más-línguas que o maior acidente foi ela ter levantado o vestido e mostrado as pernas ao Eike Batista, o qual, abrindo os cordões à bolsa (não, não foi o fecho éclair das calças), fez uma doação de US$ 7 milhões para a funda_ção da Madonna.
    Suspeita-se que ele terá aberto os cordões à espera que Madona baixasse o vestido.
    Ai, Jesus!

    26 janeiro 2011

    Por que se expõem as mulheres no Facebook?

    O Amor é fogo que arde sem se ver”, brada o poeta.
    O que é bom é para se ver!”, clamam as mulheres que se despem, sem pudor, em fotos mais ou menos ousadas, postas no seu mural do Facebook.
    Se umas o fazem por razões estritamente profissionais (J ), que força ou pulsão interior leva as mulheres a exporem-se desse modo perante familiares, amigos e meros conhecidos?
    Mero efeito de imitação ou um desejo irreprimível de afirmação de mulheres, de bem consigo próprias e com a sua sexualidade, face à concorrência feroz que sentem à sua volta?

    14 janeiro 2011

    Quase

    Um pouco mais abaixo e eu era brasa;
    Um pouco mais ao fundo e eu era além.
    Para atingir, faltou-te o talento.
    Se ao menos permanecesses cá dentro ...

    02 janeiro 2011

    BOAS ENTRADAS EM 2011

    Ele: Entrou bem em 2011?
    Ela: Muito bem! E com você?
    Ele: Com alguma dificuldade, no início, mas entrou. E depois prego ao fundo: sempre a bombar.
    .

    16 dezembro 2010

    Vai um tirinho?

    Ela: - Coração de pedra. Só mesmo à pedrada.
    Ele: - Quem atira a primeira pedra? Atiras tu? Se tu a_tirares também a_tiro.
    .

    Amor & Paixão

    Ele; o teu amor por mim é amor xesual?
    Ela: tu sabes que te amo ... o resto é só paixão. Paixão desmedida mas paixão, carago!
    Ele: nem mais. Tu a mim só m'amas.


    13 dezembro 2010

    Por que demoram tanto tempo as mulheres na casa de banho?

    Tenho para mim, como mais plausível, a explicação seguinte:

    - Elas demoram muito tempo na casa de banho porque andam a mostrar-se umas às outras numa acérrima competição «inter pares».

    «Meu Deus, olha para isto, vê como a minha cintura está tão fina! E olha-me para estas ancas!»
    «Vê estas calças. São o nº 36. E imagina que nunca vesti umas calças que me caíssem tão bem!»

    Em conclusão: as mulheres demoram muito tempo na casa de banho para mostrarem às suas «amadas e adoradas amigas» as suas formas maravilhosas e o quanto estão magras.

    Aumenta a sua Auto-Estima e as «amigas», que caçam no mesmo território, ficam na merda e com o EGO a arrastar-se pelo chão.

    08 dezembro 2010

    Queca alternativa

    Aderi às novas tecnologias
    Modernices
    Comprei uma máquina de 8000 rotações
    Mas dá para regular, conforme a tesão
    Para as quecas  alternativas
    Sem sexo é que não
    E não ganho artroses nos dedos

    Lei de talião (retaliação)


    Estão numa relação e foram traídas por ele?

    Vinguem-se. Sigam a lei de talião (retaliação): olho por olho, dente por dente.
    Ele foi para a cama com uma gaja com metade da vossa idade? 
    Sem stress, sem trauma, arranjem uma gaja com metade da vossa idade e levem-na para a cama.
    E a vida continua.

    07 dezembro 2010

    Sexo, Mentiras & Filmes

    Numa conversa, frente a frente, entre uma homem e uma mulher os sinais não verbais respondem por 60% a 80%, os sons vocais de 10% a 30% e apenas cerca de 10% dizem respeito às palavras.
    O cérebro de uma mulher é capaz de captar uma quantidade enorme de pormenores através dos seus olhos. Por outro lado, o seu grande poder de processamento permite-lhe fazer a integração e decifrar rapidamente os sinais visuais e vocais bem como outros sinais recebidos. É por isso que a maioria dos homens tem muita dificuldade em mentir numa conversa frente a frente com uma mulher.
    Ao contrário, as mulheres sabem bem como é relativamente fácil mentir a um homem, já que este não tem a mesma capacidade para captar os sinais não verbais emitidos pelas mulheres.
    Pensa-se que, actualmente, a infidelidade feminina já supera a infidelidade masculina.
    As mulheres traem os seus parceiros. As mulheres mentem aos seus parceiros. Um mulher, até a mais insuspeita, nunca dá a entender a sua infidelidade e nem sequer à suas melhores amigas o confessa.
    São excelentes actrizes e os filmes delas são perfeitos, sem erros de casting e muito convincentes.
    Em suma: traem melhor e mentem melhor que eles.

    Melhor assim. É preferível a um homem desconhecer a infidelidade da mulher.
    Ser corno manso é que não.

    .

    04 dezembro 2010

    Cunnilingus - orgasmo feminino garantido

    Já que andas numa de educador sexual, hás-de fazer um post sobre minetes, sobre o que é um bom mineteiro e como as gajas gostam deles.
    Na afundação, há um ano, vi um post muito giro sobre isso mas era daquelas mulheres, marias árvores & companhia,
    Não me lembro muito bem,mas era daquelas que são mal lambidas e depois se fartam de falar mal.
    Aliás, não sei se sabes, talvez há um ou dois anos,o tony blair da Inglaterra foi notícia por ter incentivado o sexo oral como opção a outros métodos de planeamento familiar.
    E sexo oral é isso mesmo: dá cá a coninha e, agora, abocanha-me o pirilau.
    Minete nem precisa de ser excelente: é orgasmo feminino garantido.
    Não sei como se escreve o nome em latim ...
    Exacto: cunnilingus
    Sim, cá em casa, é orgasmo garantido.
    Em simultâneo? Não. Isso é como ter gémeos: é uma excepção.

    01 dezembro 2010

    Fellatio (in ore)

    Aconchega-te no meio das suas pernas. Acaricia-O por fora das calças. Desaperta o cinto e abre o fecho éclair. Está quente e duro? Sente o pulsar d'ELE.

    Puxa as calças para baixo, deixando-o semi-imóvel. E, num movimento brusco, arranca-lhe os boxers. Com a língua molhada a tocar no lábio superior olha-o nos olhos de forma provocadora. Ele quer ver-te a chupá-LO. Dá-lhe esse prazer.

    Mantém a língua húmida e começa a lambê-lo de alto a baixo até aos testículos. Chupa-os suavemente. Cuidado, é uma zona muito sensível. Faz de conta que vais mordê-lo. Intervala pequenas dentadinhas com lambidelas aguadas ao longo do pénis.

    Concentra-te, agora, na glande. Com sensualidade, com suavidade, com destreza. Nunca a deixes seca. Mistura a tua saliva com a secreção lubrificante que sai pelo canal da uretra. Passa a ponta da língua molhada na abertura da uretra e no freio (membrana que liga o prepúcio à parte posterior da glande). São as zonas mais sensíveis do pénis.

    De forma perversa, lambe a cabeça do pénis. Saboreia o fluido semi-transparente que escorre do orifício da glande. Ele está a sentir um formigueiro intenso nas plantas dos pés. Insiste mais e mais. Vê como reage. Ouve os seus gemidos e repara como se contorce.

    Fá-lo deslizar lentamente de fora para dentro e de dentro para fora da tua boca. Continua com a língua a martirizá-lo na abertura da uretra. E com a ajuda dos dedos da mão faz movimentos masturbatórios circulares e longitudinais ao longo do pénis. Vai aumentando o ritmo. Volta a fazê-LO deslizar com suavidade para logo a seguir aumentares o ritmo. Engole-O até ao fundo, recriando o filme da Garganta Funda.

    Aperta a base do pénis quando sentires que está a vir-se para retardares a ejaculação. Liberta-O, agora.

    Observa o leite a sair em jorros quentes, em direcção à tua boca. Deixa-te lambuzar pela esporra como nos teus sonhos húmidos, agora, tornados realidade.

    29 novembro 2010

    Por dentro da coisa ou com a coisa por dentro, eis a questão

    Ele - Como ficou o Real?
    Ela - 5-0 ganhou o Barça
    Ele - Como foi que  aconteceu isso?
    Ela - É futebol. E futebol é assim mesmo?
    Ele - Tu estás por dentro da coisa?
    Ela . Minimamente, porquê?
    Ele  . Preferes estar por dentro da coisa ou com a coisa por dentro?

    28 novembro 2010

    Sucedâneos

    "Depois do almoço vou até ao parque andar de baloiço e de cavalinho".
    Minha querida, quando não se tem cão caça-se com gato.
    .

    27 novembro 2010

    Troca por troca

    Estão a fazer furor em França os anúncios postos na imprensa diária de trocar pequenos serviços e reparações domésticas por serviços sexuais.

    A opinião pública mais retrógrada e atávica, escandalizada, clama que é uma nova forma encapotada de prostituição. Não é. Mas a forma prática (as mulheres têm um incrível sentido práticol) encontrada por muitas mulheres, a viver vidas solitárias, de  terem uma vida sexual normal no conforto do lar e sem se exporem publicamente.

    PS: se a moda pega por cá, o Grupo Parlamentar do PS não deixará de propor  uma Lei a tributar estes serviços

    26 novembro 2010

    Convite para jantar (Parte II)

    Estou pronta a receber a coleira” – disse-me ela.
    Estou orgulhoso de ti mas receberás a coleira no momento adequado” – respondi-lhe eu.


    O jantar decorreu animado mas sem sobressaltos. Preparei tudo com tempo e ao pormenor: a sala semi-obscura, a lareira acesa, os castiçais de prata na mesa e a música ambiente relaxante.
    Tinha-lhe pedido para vir com meias de ligas e sem cuecas e percebi pelos olhares cúmplices trocados que a sua amiga já estava a par do nosso segredo.
    Combináramos ir tomar café, após o jantar, a um bar romântico aberto recentemente nas margens do rio. Mas, no fim da refeição, arremessámo-nos os três para o sofá. Não me pareceu que elas quisessem abandonar aquele ambiente quente e acolhedor para ir tomar café.
    Virei-me para a minha amiga e disse-lhe: «Acho que este era o momento adequado. Mas, devido à circunstância de não estares sozinha, o ritual da tua iniciação terá de esperar por melhor oportunidade». Olhos arregalados, vi ar de assombro estampado no rosto da outra. De imediato, levantaram-se e foram bisbilhotar para a cozinha. Regressaram, pouco depois, sorridentes e eufóricas. O ritual da iniciação não podia esperar, falaram as duas em uníssono.
    Fui ao quarto buscar uma caixa de madeira, religiosamente guardada, e mal regressei ela ajoelhou-se na minha frente para receber a coleira. Já lhe explicara antes que o ritual da iniciação estava subordinado a gestos carregados de simbolismo. Por exemplo, em sinal de respeito e de total disponibilidade para ser usada, deveria receber a coleira sem cuecas e com os seios a descoberto. Explicou-me que estava já sem cuecas, fazendo questão de o mostrar, e desapertou o sutiã exibindo os seios nus. Aproximou-se de mim e inclinou a cabeça para receber a coleira.
    A amiga assistia, ao lado, atónita e algo perturbada. Pedi-lhe para a levar para o quarto, pela trela, e prende-la aos pés da cama. Pouco tempo depois regressa, sozinha. Prostra-se aos meus joelhos, dizendo que também ela quer receber uma coleira.

    24 novembro 2010

    Sonho erótico

    (Relato verídico)


    — anoitece
    — vou na rua e começa a chover. Uma chuva miudinha. E eu estou sem guarda-chuva
    — chove cada vez mais intensamente
    — procuro um sítio onde me abrigar
    — há um prédio e abrigo-me na empena do prédio
    — espero que pare de chover
    — mas chove cada vez mais
    — o vestido molhado cola-se ao corpo
    — um automóvel pára na estrada em frente de mim
    — por gestos convida-me a entrar no carro
    — recuso com um sorriso
    — ele sai do carro e vem ter comigo
    — insiste para me abrigar no carro
    — delicadamente agarra a minha mão e leva-me para o carro
    — eu deixo-me ir sem opor resistência
    — coloca o braço por cima do meu ombro protegendo-me da chuva com a gabardina
    — abre a porta do carro e eu entro
    — liga o ar condicionado, arranca  e pára pouco à frente num beco sem saída. Diz para aguardarmos ali até que deixe de chover
    — oferece-me um cigarro. Aceito e agradeço
    — sinto-o a olhar-me
    — o olhar dele é cada vez mais insistente e insinuante 
    — fico constrangida
    — olha para as minhas pernas, para o vestido todo colado ao corpo
    — põe uma mão nos meus joelhos e, veladamente, tenta  separá-los
    — tiro a mão dele de cima  dos meus joelhos
    — insiste  e  volta a insistir
    — passa a outra mão pelo meu pescoço
    — puxa-me pelos cabelos para trás e beija-me 
    — vai descendo com a boca até aos meus seios, por cima do vestido colado ao corpo
    — morde-me os mamilos erectos do frio
    — com a outra mão continua a acariciar-me as coxas
    — toca-me no sexo por cima das cuecas
    — fecho os olhos e deixo de resistir. Sinto os joelhos quentes e a tremer. Uma onda de calor sobe pelas coxas até às minhas entranhas
    — puxa o vestido para cima, deixando-me exposta
    — mete a mão  pelo decote do vestido dentro do sutiã
    — a outra mão  continua no meu sexo 
    — com a minha mão procuro o sexo dele
    — sinto-o por cima das calças, está duro
    — puxa-me pelos cabelos até ao colo 
    — e esfrega a minha cara no seu sexo
    — tira o sexo para fora e ordena: «chupa-o
    — obedeço
    — reclina o banco para trás e fica deitado no banco
    — continuo a chupá-lo
    — mas, quando menos espera, sento-me em cima dele e enterro-me toda 
    — cavalgo-o até nos virmos os dois
    — abro a porta do carro, saio e vou-me embora.
    — parou de chover
    — um refrescante cheiro a terra húmida paira no ar.

    23 novembro 2010

    O piropo de hoje é a cópula de amanhã

    - Olá, Estrela! Queres Cometa?
    (à chegada da estagiária ao jornal)

    A sua verborreia libidinosa apanhava de surpresa as estagiárias que passavam por aquela redacção. Poucas foram as que não sucumbiram aos seus estranhos encantos.

    No início elas riam-se de tão caricata figura - feio, baixo e pouco elegante. Depois, começavam a não perceber por que razão ele as perturbava tanto. Seria a voz ou a força poderosa da palavras que mexia com elas daquela forma?

    Ao fim destes anos, fui levada a concluir que a falta de pudor pode ser o melhor amigo do homem e o amante mais chegado da mulher. As mulheres gostam da linguagem despudorada deles. Podem até corar. Fazer de conta que não ouvem. Rir. Contra-atacar com o desprezo.

    Mas no íntimo de cada uma mora o desejo de tornar aquele piropo primário num facto irremediável e inelutável.

    (O Sexo e a Cidália - NS - Condensado e adaptado pelo Trolha)

    22 novembro 2010

    Dança do varão

    Levei-te a jantar ao Cafeína. Estavas eufórica e querias passear junto ao mar. Descemos a rua e caminhámos em direcção ao Castelo do Queijo. 

    Os candeeiros e as árvores espreitavam através da névoa espessa que tudo envolvia.  O ar estava carregado de uma humidade desagradável mas não estava frio. De repente, largas-me da mão e desapareces, como por encanto, na névoa branca. Corro na tua direcção e não te vejo. Sinto que estás por ali e talvez me estejas a ver. Encontro-te agarrada a um candeeiro de metal esverdeado, em pose sensual, a simulares a dança do barão. 

    Aproximo-me, silenciosamente, e agarro-te por trás. Aperto-te com força contra o barão e levanto-te a saia. Ficas toda exposta com as meias de liga, presas ao corpete preto, sem cuecas. Corro o fecho das calças, desço os boxers e enterro-me em ti com sofreguidão. Tu empinas o mais que podes o rabo e eu tento encaixar-me melhor segurando-te pelas pernas. Ficas suspensa no ar e agarras-te  ao pé do candeeiro. Começam a faltar-te as forças. Ainda tentas virar-te para me abraçares mas não consegues e estatelas-te no chão.

    20 novembro 2010

    Convite para jantar

    - Convida, num dia destes, a tua amiga para um jantar em minha casa
    - Hmmmmmmmmmmm ....  Andas a magicar alguma.
    - Não, não magico nada. Mas quem sabe não acontece um momento mágico e as duas ficam abertas a tudo?
    .

    19 novembro 2010

    Prego no pão a pingar no chão

    Frequento, no verão do meu contentamento, a Esplanada do Alex.
    Passe a publicidade, tem o melhor prego em pão que  conheço.

    Carne suculenta e abundante a pingar no chão.
    O que aquele prego no pão me faz lembrar não lembra ao diabo.

    15 novembro 2010

    Jogos eróticos (cerejas com chantilly)

    Sentado no sofá, vias televisão .
    Ela levanta-se, de repente, e dirige-se à cozinha.
    Traz do frigorífico dois recipentes de vidro: um com cerejas lavadas e escorridas e o outro mais pequeno com chantilly. Ela sabe como tu és guloso por cerejas.

    - Despe-me! - ordenou ela.

    Logo após, venda-te os olhos com um lenço escuro.
    E explica-te o jogo: «Vou deitar-me aqui no sofá. Se queres comer as cerejas, vais ter de as encontrar algures no meu corpo. Só podes utilizar a boca e a língua. Se te demorares muito ou se as procurares com demasiada sofreguidão, quem come as cerejas sou eu.».Passa um cereja pelo chantilly e cola-a no pescoço.

    - Essa foi muito fácil de descobrir, sorte de principiante - disse ela.

    Tu sorris, agradeces e comes a cereja.
    Cola um cereja com chantilly em cada um dos mamilos. Tu, levado por uma qualquer intuição, acertas de imediato no alvo. Comes as cerejas e aproveitas para morderes com os lábios aqueles mamilos erectos da excitação.

    - Porra, pareces bruxo ! - estranhou.
    - Ahhhhhhhh .... desta vez, lixas-te ! Demoraste muito tempo. Esta como-a eu - esclareceu.
    - Vamos à próxima.

    Tu passaste suave e demoradamente a língua pelo pescoço, pelos mamilos, percorreste todo o seu alto ventre, desceste até à  genitália. Nada. Braços, pernas, quadris. Nada.

    - Desculpa, mas não tens qualquer cereja no teu corpo.
    - Tenho duas cerejas no meu corpo - insistiu ela.

    Fez-se luz na tua mente.
    Abocanhaste-A e retiraste lá de dentro duas cerejas gordas lambuzadas de chantilly e de algo mais com sabor indescritível.