27 setembro 2009

Nirvana_Superior

Libertos das amarras dos desejos,
Fugindo à condição humana,
Não sentiremos nem fome nem dor.
Levitaremos em transe
E atingiremos, juntos, o nirvana_superior

19 setembro 2009

Cabines de prova ... com outro sabor

Fazem furor em Londres, Paris e Barcelona.

São cabines de prova de roupa feminina, discretas, onde as mulheres aprovam as peças do seu agrado e .... provam outros sabores.

Expliquemo-nos melhor: são cabines de prova, rigorosamente iguais às cabines de prova de roupa existentes nas lojas de senhora. Com um pormenor curioso: a cerca de um metro de altura existe um orifício dissimulado e tapado mas suficientemente largo para permitir a entrada do membro viril masculino. Do outro lado da cabine permanecem numa sala semi-escura vários cavalheiros aguardando que as pequenas escotilhas se abram projectando um foco de luz (a luz do interior da cabine) na sua direcção. É o sinal esperado: uma mulher, comodamente sentada, dentro da cabine, pretende provar outros sabores antes da prova da roupa.

Prestado o serviço e após experimentar, com calma, as peças desejadas, retira-se de forma discreta em direcção ao balcão para pagar. Na caixa, depara-se com uma agradável surpresa (?): "Minha Senhora , a sua conta já foi paga por um amável cavalheiro".
Fingindo um enorme espanto, sai com um sorriso rasgado na cara.
.

17 setembro 2009

As sedutoras

Lançam-lhes olhares fulminantes nos bares, nas esplanadas e nos cafés.
Usam todas as armas ao seu alcance para os prenderem.
Controlam os seus impulsos e as suas emoções.
Até decidirem que o espectáculo chegou ao fim: the game is over.

São mulheres mal-amadas que buscam na aprovação, no aplauso e na idolatrização a compensação para o vazio que sentem dentro de si.

06 setembro 2009

O Amor por fazer

Ó mar salgado, quanto do teu sal
É sémen de Portugal !

Quantas promessas por cumprir
Quantas flores por florir

Quantas fontes secaram,
Quantas andorinhas morreram
Quantos sinos deixaram de tocar

Quanto leite derramado
Quanto mel por colher
Quanto Amor por fazer

Para seres salgado, ó mar !

Valeu a pena?
Não, não valeu a pena.
.